quarta-feira, 29 de abril de 2009

Mitos Antigos


MITOS EGÍPCIOS



Como em todas as civilizações antigas, a cosmogonia ocupa a primeira parte dos textos sagrados egípcios, tentando explicar com a fantasia e o relato milagroso tudo quanto se escapa do reduzido âmbito do conhecimento humano. Para os egípcios, como para o resto das grandes religiões, a criação do Universo faz-se de um único ato da vontade suprema, a partir do nada, da escuridão, do caos original.O seu criador chama-se Nun e era o espírito primigênio, o indefinido ser que tinha tomado o aspecto do barro. Este barro que aparece com tanta freqüência em todas as mitologias junto dos parágrafos das criações de deuses e de homens, a matéria-prima por excelência dos oleiros e (por assimilação) a matéria lógica para os deuses criadores, não era senão a terra e a água próximas dos antigos povoadores do mundo. Por isso o barro Nun foi o berço espiritual, a primeira força em que ia tomando forma o novo espírito da luz, Ra, o disco solar, pai de tudo o que habita sob os seus raios. Da vontade de Ra vão nascer os dois primeiros filhos diferenciados da divindade: são Tefnet e Chu.
Ela é a deusa das águas que caem na terra e ele é o deus do ar, e os dois filhos estarão com o grande pai Ra no firmamento, compartilhando a sua glória e o seu poder e ajudando-o na longa e eterna viagem. Mas também Chu e Tefnet vão continuar a obra iniciada por Ra, criando da sua união outros dois novos filhos, os dois sucessores da última geração celestial: o deus da terra Geb, e a sua irmã e esposa, a deusa do céu Nut, para que eles relevem à primeira geração e criem a terceira, a que vai estar na terra do Egito.


DEUSES EGIPCIOS


HÁTHOR – DEUSA DO AMOR


“Senhora do céu”, “alma das árvores”, ama-de-leite de Hórus, a vaca Hátor aparece com freqüência nos mitos. É uma deusa benevolente, adorada em várias regiões, principalmente em seu templo de Dendera. Vaca tranqüila que geralmente personifica o olho de Rá, amamentou Hórus quando nasceu. Uma vaca que usava um disco solar e duas plumas entre os chifres representava Hathor, deusa do céu e das mulheres, nutriz do deus Hórus e do faraó, patrona do amor, da alegria, da dança e da música, mas também das necrópoles. Seu centro de culto era a cidade de Dendera, mas havia templos dessa divindade por toda parte. Também era representada por uma mulher usando na cabeça o disco solar entre chifres de vaca, ou uma mulher com cabeça de vaca.

OSÍRIS

Primeiro filho de Nut e Geb, tem uma pele escura e grande estatura. Rá deixa o seu trono suntuoso do Egito para Osíris, que desposa a sua irmã Ísis. E deste palácio em Tebas, eles governam os egípcios. Em suas mãos, Osíris, leva o cetro e o enxota-moscas, insígnias da realeza. Ele é considerado o deus do mundo vegetal, e suas cores são a preta, que representa o renascimento, e o verde, que representa a fecundidade e a vegetação. O trigo, a vinha, a cevada, foram uma dádiva de Osíris para a população, pois, ele indicou aos homens, as plantas que serviam para a sua subsistência.
Osíris organiza a religião, regulamenta o culto e edifica numerosos templos no Egito. Percorre o mundo, numa conquista pacífica e proveitosa, acompanhado de Thot e de Anúbis. É denominado Unenefer, “a boa entidade”. Osíris, é morto e esquartejado em 14 pedaços, por seu invejoso irmão Set. Depois de muito tempo e um longo trabalho de Ísis, ajudada por Néftis, Thot e Anúbis, o deus assassinado, desperta para uma nova vida, porém jamais voltará à vida terrestre, segue as ordens de Rá, que ele se tornará o senhor do reino dos mortos. Depois de morrer, Osíris vai morar no Sol.
Em cada cidade onde é venerado, supera um deus já existente ou assume as funções desse deus. Assim, em Mênfis é associado a Socáris, deus local dos mundos subterrâneos, e torna-se deus dos mortos. O culto a Osíris chega a ofuscar o culto ao Sol, a partir do final da V Dinastia, passa-se a acreditar que o faraó morto transforma-se em Osíris. No Médio Império, essa crença estende-se a todos os defuntos, qualquer que seja a sua origem.



MITOS GREGOS


ADÔNIS

A figura de Adônis, estreitamente vinculada a mitos vegetais e agrícolas, aparece também relacionada, desde a antiguidade clássica, ao modelo de beleza masculina.
Embora a lenda seja provavelmente de origem oriental - adon significa "senhor" em fenício -, foi na Grécia Antiga que ela adquiriu maior significação.
De acordo com a tradição, o nascimento de Adônis foi fruto de relações incestuosas entre Smirna (Mirra) e seu pai Téias, rei da Assíria, que enganado pela filha, com ela se deitou. Percebendo depois a trama, Téias quis matá-la, e Mirra pediu ajuda aos deuses, que a transformaram então na árvore que tem seu nome. Da casca dessa árvore nasceu Adônis. Maravilhada com a extraordinária beleza do menino, Afrodite (a Vênus dos romanos) tomou-o sob sua proteção e entregou-o a Perséfone (Prosérpina), deusa dos infernos, para que o criasse.
Mais tarde as duas deusas passaram a disputar a companhia do menino, e tiveram que submeter-se à sentença de Zeus. Este estipulou que ele passaria um terço do ano com cada uma delas, mas Adônis, que preferia Afrodite, permanecia com ela também o terço restante.
Nasce desse mito a idéia do ciclo anual da vegetação, com a semente que permanece sob a terra por quatro meses. Afrodite e Adônis se apaixonaram, mas a felicidade de ambos foi interrompida quando um javali furioso feriu de morte o rapaz. Sem poder conter a tristeza causada pela perda do amante, a deusa instituiu uma cerimônia de celebração anual para lembrar sua trágica e prematura morte.
Em Biblos, e em cidades gregas no Egito, na Assíria, na Pérsia e em Chipre (a partir do século V a.C.) realizavam-se festivais anuais em honra de Adônis. Durante os rituais fúnebres, as mulheres plantavam sementes de várias plantas floríferas em pequenos recipientes, chamados "jardins de Adônis". Entre as flores mais relacionadas a esse culto estavam as rosas, tingidas de vermelho pelo sangue derramado por Afrodite ao tentar socorrer o amante, e as anêmonas, nascidas do sangue de Adônis.
Modelo de beleza masculina também teve sua imagem estreitamente vinculada a mitos vegetais e agrícolas, aparece também relacionada, desde a antiguidade. Seu nascimento foi fruto de relações incestuosas entre Smirna (Mirra) e seu pai Téias, rei da Assíria, que enganado pela filha, com ela se deitou. Descoberta, para não ser morta pelo pai, pediu ajuda aos deuses, que a transformaram então na árvore que tem seu nome. Da casca dessa árvore ele nasceu. Maravilhada com a extraordinária beleza do menino, Afrodite (Vênus) tomou-o sob sua proteção e entregou-o a Perséfone (Prosérpina), deusa dos infernos, para que o criasse. Menino crescido ele e Afrodite se apaixonaram, mas a felicidade de ambos foi interrompida quando um javali furioso feriu de morte o rapaz. A deusa então instituiu uma celebração anual para lembrar sua trágica e prematura morte. Esses festivais anuais ocorria nas cidades gregas e egípcias, na Assíria, na Pérsia e em Chipre (a partir do século V a.C.) e durante os rituais fúnebres, as mulheres plantavam sementes de várias plantas floríferas em pequenos recipientes, chamados jardins de Adônis. Entre as flores mais relacionadas a esse culto estavam as rosas, tingidas de vermelho pelo sangue derramado por Afrodite ao tentar socorrer o amante, e as anêmonas, nascidas do sangue dele.

ZEUS

Como divindade suprema do Olimpo, chamado "pai dos deuses e dos homens", Zeus simbolizava a ordem racional da Civilização Helênica.
Zeus é o personagem mitológico que, segundo Hesíodo e outros autores, nasceu de Réia e de Cronos, o qual engolia os filhos para evitar que se cumprisse a profecia de que um deles o destronaria.
Após o nascimento de Zeus, Réia ocultou a criança numa caverna, em Creta, e deu uma pedra envolta em faixas para o marido engolir.
Quando chegou à idade adulta, Zeus obrigou o pai a vomitar todos os seus irmãos, ainda vivos, e o encerrou sob a terra.
Transformou-se então no novo senhor supremo do cosmo, que governava da morada dos deuses, no cume do Monte Olimpo.
A esposa de Zeus foi sua irmã Hera, mas ele teve numerosos amores com deusas e mulheres mortais, que lhe deram vasta descendência.
Entre as imortais, contam-se Métis, que Zeus engoliu quando grávida para depois extrair Atena da própria cabeça; Leto, que gerou Apolo e Ártemis; Sêmele, mãe de Dioniso; e sua irmã Deméter, que deu à luz Perséfone.
Com Hera concebeu Hefesto, Hebe e Ares.
O deus assumia com freqüência formas zoomórficas - cisne, touro - ou de nuvem ou chuva, em suas uniões com mortais, que deram origem a uma estirpe ímpar de heróis, como os Dióscuros (Castor e Pólux), Héracles (Hércules) e outros que ocupam lugar central nos ciclos lendários.
Os templos e estátuas em honra a Zeus dominavam todas as grandes cidades, embora seu culto fosse menos popular do que o das respectivas divindades locais.
Era representado comumente como homem forte e barbado, de aspecto majestoso, e com essa imagem foi adotado pelos Romanos, que o identificaram com Júpiter.


AQUILES

Aquiles é um dos mais famosos heróis gregos. Filho de Tétis (deusa grega do mar) e Peleu (rei dos mirmidões), teve seu principal momento no cerco à cidade de Tróia. Participou junto com outros heróis e príncipes da Grécia de várias batalhas. Tornou-se famoso por sua bravura e força.Conta a mitologia grega que a mãe mergulhou Aquiles, recém-nascido, nas águas do Estige (rio que dava sete voltas no inferno). Este fato tornou o filho invulnerável, salvo pelo calcanhar que não foi banhado, pois a mãe o segurava por esta parte do corpo.Para vingar a morte de Pátroclo, seu amigo, que sucumbira às mãos de Heitor, matou este último, mas foi mortalmente ferido no calcanhar por uma flecha envenenada arremessada por Paris. Este fato ocorreu durante a Guerra de Tróia, que foi retrata na Ilíada de Homero.


MITOS JAPONESES


A IRA DE IZANAGI

Ao ver morrer a sua amada Izanami daquela terrível maneira, o marido divino começou a chorar desconsolado, mas as lágrimas do viúvo Izanagi ainda serviriam para dar vida à deusa do pranto. Passado aquele primeiro momento de desconsolo, Izanagi encolerizou-se com o filho que foi causa da morte de Izanami e cortou-Ihe a cabeça com a sua espada. Matando-o imediatamente, mas fazendo o duplo prodígio de que o seu sangue dessa vida a outras oito novas divindades, do fogo, das rochas, triturador das raízes, e rochas, da chuva, do sol, do vento, dos vales, e que dos restos mortais de Kagutsuchi se fizessem nascer outras tantas novas divindades das montanhas, protetoras de caminhos, de ladeiras, do refúgio, da escuridão, dos bosques, etc. Mas tudo isso importava bem pouco ao choroso Izanagi, que queria recuperar a sua perdida esposa ao preço que fosse; de maneira que decidiu descer aos infernos e lá a encontrou: mas também soube pelas suas palavras que a infeliz Izanami já tinha comido da mesa do país dos mortos e que, portanto, nunca podia abandonar aquele recinto infausto, se não fosse com a especial licença do deus do inferno. Com aquela promessa, Izanami desapareceu no negro interior. Passava o tempo e a amada não regressava, de maneira que Izanagi tomou um dente de um pente, ateou-lhe fogo, como se fosse uma teia, e foi pelo mesmo caminho por onde tinha visto passar antes a Izanami. Lá a encontrou, entre vermes que a devoravam e que não eram senão os oito deuses do trovão que tinham nascido da descomposição do seu cadáver. Izanagi ficou ainda mais aterrado ao ouvir a investida que lhe lançava Izanami, por tê-la humilhado com aquela contemplação do seu vergonhoso estado.

GOUKI

O "demônio faminto", o que come almas, para aplacar a fome, de preferência as das crianças, que são mais fracas e mais suscetíveis aos ataques. Gouki costuma receber de monges dos monastérios zen oferendas para aplacar sua fome, em forma de pequenas refeições deixadas para o caso de sua visita.
Uraishima
Outra lenda muito popular. Uraishima era um simples pescador que um dia pesca uma tartaruga. Ao devolver o animal às águas, a vê se transformar numa bela mulher, que agradecida lhe revela ser a filha do Rei do Mar, e o convida a vir ao seu reino para conhecê-lo. Uraishima a acompanha e desce ao reino do mar. No Palácio abaixo das ondas, acaba se apaixonando pela jovem e casam-se. Mas Uraishima sente saudades da terra dos humanos e de seus pais, e pede para voltar para uma visita. Sua esposa entrega-lhe um pequeno cofre, que deveria carregar consigo e jamais abrir. Assim, poderia regressar às águas após a visita, caso contrário, se abrisse a caixa, nunca voltaria. Uraishima faz votos de obedecer à advertência e vai ao Japão, mas tem uma horrível surpresa. Enquanto nas águas haviam se passado poucos meses, no mundo dos humanos se passaram séculos. Seus pais haviam morrido já há muito tempo, e acreditando que o filho se afogara no mar. Desesperado, Uraishima abre o cofre, contrariando as recomendações da esposa. Da caixa sai um vento gelado e fumaça branca, que prontamente transformam Uraishima em um ancião, trazendo-lhe de volta todos os anos passados em sua terra natal. Uraishima descobre que um mortal não pode habitar mundos diferentes sem uso de magia. Mas o faz tarde demais, em questão de segundos já se torna idoso demais e morre, e resta apenas um cadáver sentado à beira do mar...

RAIDEN


É o deus do trovão e da guerra. “Mas agora creio que este deus não tem muito a ver com Raizen, e mais com o Raiden de Mortal Combat, por exemplo, ou aquelas figuras do filme Aventureiras do Bairro Proibido”. Ele é representado montado numa nuvem e derramando chuvas de raios. Por vezes é representado como um deus vermelho e de garras afiadas, e adora, apaixonadamente, comer umbigos humanos.

Enviado por:

Paulo Rodrigues, Marina Bortoluzzi, Luana Santos, Mateus Reis, Cássia Mariana, Sandy Ferreira, Lorena Tosoni

31 comentários:

  1. Muito bom o blog parabens!!!

    ResponderExcluir
  2. eu sou a anonima do mito moderno.nele voces podiam colocar mais mitos alem de ajudar as pessoas nos trabalhos voces caprichem.eu vou ver outros mitos.os de ca sao otimos.escreverei mais.

    ResponderExcluir
  3. quero sabe4r o percuso dos mitos da antiguidade até hj

    ResponderExcluir
  4. ameiiiiiiiiiiiide paixão os mitos tem ummmm ki da ate medo #RCK# EITA MA

    ResponderExcluir
  5. ameeeeeeeeeeeeeeeeeeiiiiiiiiiiiii ja tenho como fazer meu trabalho

    ResponderExcluir
  6. quer saber meu trabalho ja ta feito aa muito tempo
    mais eu ameeeeeeeeiiiiiiii este site uau

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. vc não tem oqqq fazer naum fia vc e muito e interesseira

      Excluir
    2. vc não tem oqqq fazer naum fia vc e muito e interesseira

      Excluir
    3. vc não tem oqqq fazer naum fia vc e muito e interesseira

      Excluir
  7. Respostas
    1. nosssaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

      Excluir
  8. muito interessante realmente notável

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. mas cala boca com essas historias kkkkkk
      mas interesantes ;)

      Excluir
  9. gostei mt ...ajudou bastante no trabalho ...valeu msm

    ResponderExcluir
  10. deveria ter mais mitos brasileiros

    ResponderExcluir
  11. interessante só não é o conteúdo qe necessito...

    ResponderExcluir
  12. Para nossa alegriaa!!...sem graça nun gostei manés!

    ResponderExcluir
  13. isso e ummma coisa muito piiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii di ci ver poq isso e um piiiiiiiiiiiiiiiiii cacete vai fila da .................

    ResponderExcluir
  14. vai tomar no cu poora fila da puta q nasceu da buceta do demonio caba xupao de rola iiisso e uma pika gosoda na sua cara fi d ararararrararara

    ResponderExcluir
  15. “Senhora do céu”, “alma das árvores”, ama-de-leite de Hórus, a vaca Hátor aparece com extraordinária beleza do menino, Afrodite (Vênus) tomou-o sob sua proteção e entregou-o a Perséfone (Prosérpina), deusa dos infernos, para que o criasse. Menino crescido ele e Afrodite se apaixonaram, mas a felicidade de ambos foi interrompida quando um javali furioso feriu de morte o rapaz. A deusa então instituiu uma celebração anual para lembrar sua trágica e prematura morte. Esses festivais anuais ocorria nas cidades gregas e egípcias, na Assíria, na Pérsia e em Chipre (a partir do século V a.C.) e durante os rituais fúnebres, as mulheres plantavam sementes de várias plantas floríferas em pequenos recipientes, chamados jardins de Adônis. Entre as flores mais relacionadas a esse culto estavam as rosas, tingidas de vermelho pelo sangue derramado por Afrodite ao tentar socorrer o amante, e as anêmonas, nascidas d
    A IRA DE IZANAGI
    Responder

    ResponderExcluir
  16. eu gostei muito... ajudou no meu trabalho de Filosofia

    ResponderExcluir
  17. amei todos os mitos... principalmente o de raiden...ou melhor raizen... que adora , apaixonadamente comer umbigos humanos... rsrs... bjusss xau

    ResponderExcluir
  18. aew, valeu ae, agora ja posso fazer o meu trabalho XD

    ResponderExcluir
  19. é uma merda nao consegui entender nd nesta bosta de blog

    ResponderExcluir
  20. muito bom , gostei muito,ajuda otima!

    ResponderExcluir
  21. muito bom agora se foda

    ResponderExcluir
  22. vai pra puta q pariu quem fez isso seus gay kkkkkkk
    :D

    ResponderExcluir
  23. massa esse site :D eu conclui uma pesquisa de escola com ele vlw galera q fez isso :D

    ResponderExcluir